4.1.06

Os primeiros desafios do Missão 2006

Para pensar e refletir nessa segunda noite de congresso foram dadas aos congressistas três frases dos palestrantes do dia:

A lei nos coloca de joelhos; a graça nos coloca de pé”, disse Ariovaldo Ramos, presidente da Visão Mundial, ao fazer a exposição de 1 Pe 1.1-2.10. Ariovaldo nos convida a refletir sobre o tipo de salvação para a qual fomos chamados. Uma salvação pela graça, que, além de transformar nossa vida espiritual, deve trazer mudanças na nossa maneira de viver. Uma salvação que custou caro, baseada no amor de Deus por nós e no nosso amor para com o próximo. Esta salvação que nos chama a servir em missão, pois “somos comunidade em plena comunhão, unidirecionadas e pregadores das grandezas de Deus: pela vida, palavra e atos”.

Quebranta o meu coração com as coisas que quebrantam o teu [de Deus] coração”, é a frase de Valdir Steuernagel, assessor da Visão Mundial Internacional, ao falar sobre “Novas Agendas para a Missão no Mundo de Hoje a Partir do Brasil”, que segundo ele são as mesmas de 76: a missão de Jesus.


Valdir destacou que o Evangelho deve trazer diferenças sociais, políticas e nacionais. Segundo ele “a Igreja é de Deus e não pode ser construída segundo a nossa imaginação”, isto é, nós não podemos criar uma Igreja a nossa imagem e semelhança.
O pastor nos chama a atenção para o fato de não sofrermos com os que sofrem e de não chorarmos com as injustiças com as quais convivemos. A missão de hoje é a mesma de 30 anos atrás porque a Igreja ainda não aprendeu a desejar ver como Deus vê e amar como ele ama. Por isso a oração: quebranta o meu coração com as coisas que quebrantam o teu coração.

O que devemos fazer como Igreja para transformar o Brasil?”, é a pergunta que acaba de ser feita por Bráulia Ribeiro, presidente da JOCUM, na última palestra da noite. Bráulia discorreu sobre “Missão: o chamado” e, semelhante ao pastor Valdir Steuernagel, chamou a atenção para o crescimento apenas numérico de uma Igreja sem propostas.


Segundo a missionária, sim, é possível um país sem corrupção, é possível reinventar o Brasil. O que precisamos é aprender a “odiar a canalhisse brasileira” e fazermos diferença como Igreja cristã. Qual será a sua parte?

4 comentários:

Felipe Stelli (filocalia@gmail.com) disse...

Pessoal, obrigado por colocar um pouco das mensagens para a gente refletir também.

Anônimo disse...

E AI GALERA NO MISSÃO!!!
VOCÊS NÃO SABEM COMO EU GOSTARIA DE ESTAR AI COM VOCÊS!!!
ESTOU ORANDO POR VOCÊS E TENHO CERTEZA QUE DEUS TEM MUITA A FALAR NESSE CONGRESSO! ESPERANCA VIVA EM JESUS!!!
QUE DEUS OS ABENCOE!
ABRACAO!!!!
SAUDADES!!!

DANILO A.L. PACAGNELLA - ABU/ITAJUBÁ

JamesRock disse...

También oraré por todos ustedes.

Jaime Peña,
GBUCh.

Fernando disse...

Muito chique, gente. Vao fundo na graca de Deus ai nesse congresso. Ele ta fazendo bastante coisa ai no Brasil, pode saber.
Abracos e saudades doces.
Fernando - ABU Vicosa