22.6.05

Picanha e bíblia...

Abaixo um artigo de Carol Porto, integrante da Diretoria do Missão 2006 em que ela afirma a centralidade do Estudo da Bíblia no Congresso e o porquê da promoção de espaços e metodologias distintas para o estudo da Palvra.

000000

Consideramos o EBI uma ferramenta essencial para melhor se compreender a bíblia e para o evangelismo na universidade, além do que ele dá a cara da ABU, por isso ele se faz tão importante em um congresso organizado pela ABU. O tempo separado para ele na grade do programa deve ser privilegiado, e apesar de tentarmos encontrar qual horário é a “picanha” do congresso precisamos estar cientes que a “picanha” do congresso é o relacionamento pessoal com Deus que esperamos que aconteça nos pequenos grupos. Precisamos ficar menos preocupados com o horário para tal e mais com o “tal”, ou melhor, mais preocupados em fazer com que os participantes percebam que a “picanha” do congresso é o Estudo da Bíblia, a busca pelo que Deus tem para nos falar.

Para tanto precisamos começar em nós a valorização desse tempo e orarmos para que consigamos juntar nossos 10 novos amigos para conversarmos sobre a palavra de Deus.

Como a Tônica escreveu em seu livro sobre EBI: “O estudo bíblico indutivo leva o interessado a descobrir por si mesmo o significado das Escrituras e a relacionar o que descobriu com a sua vida de cada dia. Num EBI procuramos encontrar o que o autor quis dizer, e não impor nossos sentimentos ou opiniões sobre o texto. Para melhor deixar a Bíblia falar por si mesma, o líder de um grupo não faz um pequeno sermão sobre o texto, nem defende as conclusões do seu estudo prévio, mas faz perguntas que permitem aos membros do grupo descobrirem o significado do texto” (pág. 8). Cremos que todos para quem escrevemos já sabem disso e cada um poderia nos dar um testemunho sobre como esse método ajudou-o a melhor compreender a palavra de Deus.

É isso que queremos mostrar para os participantes do Congresso Missionário: que eles próprios podem entender o significado dos textos bíblicos, por isso é tão importante que esse tempo de EBI seja valorizado e realizado. Em 5 dias os participantes poderão ver por si mesmos, ouvir a interpretação de outros e comparar o tempo de EBI com o tempo de pregação, e cremos que Deus vai falar através dos pregadores e oramos para que nós e os participantes compreendamos que esses dois métodos não se excluem, mas antes, se completam.
Deus fala tanto pessoalmente como por meio de outros, o que muitos ainda não sabem hoje é que Deus também fala sem a presença de um pastor, é que Ele fala pessoalmente, individualmente com cada um de nós, mas nós temos que parar para ouvi-Lo, parar para estudar sua palavra e não só parar no Domingo para ouvir as conclusões de outros sobre a palavra de Deus.

Esperamos que esse pequeno texto tenha conseguido sanar algumas dúvidas sobre a programação e nos levado a saber que a “picanha” so congresso é o relacionamento pessoal com Deus, que nos leva a termos uma “esperança viva em Jesus”.

4 comentários:

Anônimo disse...

É isso aí Carol! O estudo aprofundado da Palavra é chave para nosso relacionamento com Deus. O método EBI nos ajuda muito a levar a sério o que Deus nos fala. Um abraço! Lissânder

Juliana disse...

Gostei do texto! Parabéns pela idéia de usar o blog como ferramenta de comunicação. Super atual! Beijos a todos... Juliana (ABU-USP)

Victor(ABU-PA) disse...

Amén! Que assim seja, porque assim deve ser, nossas vidas estão dedicadas a Deus, e todas as nossas atitudes devem ser levadas a ele antes de serem executada pro nós.
Que Deus abençoe esse blog e seus visitantes, em nome de Jesus! Amén.

Ana Paula Gurgel disse...

Poxa, é isso mesmo, se não encontramos nossa comunhão pessoal com o Pai, como falarmos dela a outros!!!
Bons estudos e boa preparação para O Missão 2006.
Bjs
Ana Paula (antiga-RL)