9.1.06


Eu ri... mas era para eu mudar o mundo


Outdoors. Rock. Mazelas. Hipocrisia. Fé. Capitalismo. Sexo. Mastercard
Carnal e viral. Falso verdadeiro. Janelas. Bush. Dúvidas. Igreja.
Vida. Fome e Bobagens. Desigualdades. Prosperidade. Parmalat.
3, 4, 5 ou 6 vezes no cartão!
Amizade.
Jeremias. Mídia. Coca-cola. O Choro. Dúvidas. Credicard.
Eugene Peterson. Igreja. Felicidades. Vida. Fim do mundo.


Sobre Outdoors e o Fim do Mundo é a peça de teatro contemporâneo apresentada pelo grupo Ide em 3 noites do Missão 2006. Uma peça que nos apresenta o ridículo — no sentido original da palavra — da igreja brasileira: o absurdo que nos faz rir!

Rimos muito, mas tenho medo de termos refletido pouco. É fácil encontrar críticas às igrejas neopentecostais, mas... e a crítica feita a mim? Será que eu percebi... ou só ri das minhas próprias mazelas?

Será que estou disposta a repensar o meu papel político como cristã? Meu papel social como cristã? Meu papel de liderança na sociedade como cristã? Será que estou disposta a ser profeta de verdade?

A peça faz uma crítica "transformativa" à sociedade cristã que não percebe os valores divulgados pelas propagandas, pela mídia, pelos outdoors. Quem é o nosso Baal? E quantos já se curvaram a ele sem saber? Nos entregamos ao consumismo com facilidade e negamos a nossa missão de proclamar o Reino de Deus em em cada pequeno ato, até mesmo quando compramos a sonhada televisão de 29 polegadas.

Nas palavras deles:
“... falamos de igreja, falamos de Brasil, mas principalmente, falamos de nós mesmos e do que fazemos (ou não fazemos) com tudo isso”

Quem puder assista à peça. Ria... mas, por favor, ria das próprias mazelas!


Sobre outdoors e o fim do mundo — intervenção profética em 10 movimentos pequenos e risíveis
texto e direção: Marcos Davi
elenco: Bárbara Isenberg, Carol Rau, Henrique Stumm, Karina Leyser e Maicon Steuernagel (como eles mesmos)
produção: Michelle Siqueira
realização: Grupo IDE

Um comentário:

André disse...

É sempre necessária a crítica de nossos valores e atitudes, principalmente se claramente estão em desacordo com os princípios eternos que Deus escreveu de forma material nas páginas sagradas, e imaterial nos corações humanos. As pessoas precisam ser chocadas com seu próprios absurdos, acordar do sono confortável da morte para uma vida útil e significante, tanto para si, para o próximo como para o Criador. Obrigado pela iniciativa.
André Luiz Rodrigues
Icém-SP
andyorm.blogspot.com