18.10.08

Desafios do nosso tempo

Tais Machado
Secretária de Capacitação da ABUB


“Na história da humanidade, jamais se viveu um período de tão radical metamorfose, especialmente no campo das concretudes, materializadas sobretudo no cenário das máquinas. Em velocidade vertiginosa, o mundo se reorganiza a partir da revolução científica e tecnológica permanente, cuja influência se estende da biologia à engenharia da comunicação. Criam-se, assim, diariamente, novas categorias para as coisas e para os fabulosos eventos a elas relacionados. Trata-se de um momento de deslumbramentos, mas também de dura incerteza..”


Danilo Santos de Miranda

Esses são os nossos dias... deslumbramentos e duras incertezas. Sustos, instabilidades, seqüestros, tudo se dá numa enorme velocidade, enfim, a vida numa montanha russa. Uma questão seria: mas quando ela pára? O brinquedo conhecido como “montanha russa” pode até ser divertido para alguns, mas, até esses, imagino, não gostariam de viver o tempo todo nele. Há como descer?

Encontro pessoas que já estão enjoadas, entediadas, estressadas, beirando um esgotamento total. Outras estão confusas, e não conseguem embasar suas posturas biblicamente. E como não encarar as “novas categorias” que nos propõe todo esse contexto?

Isso tudo nos obriga a revermos nossos referenciais, nossos critérios, e, observarmos com que lentes avaliamos o quê e como vivemos. Ou seja, para os cristãos, torna ainda mais relevante voltarmo-nos para as Escrituras Sagradas, investirmos no ensino bíblico, aprofundarmos nossos estudos na Bíblia.

Cabe lembrar o que o apóstolo Paulo salienta para os irmãos em Roma: “Quem vive segundo a carne tem a mente voltada para o que a carne deseja; mas quem vive de acordo com o Espírito, tem a mente voltada para o que o Espírito deseja. A mentalidade da carne é morte, mas a mentalidade do Espírito é vida e paz” (Rm 8.5-6).

Quem não quer vida (de qualidade) e paz? Onde encontrá-las? Será que temos compreendido quão primordial é o estudo das Escrituras Sagradas? Qual a nossa disposição para buscarmos melhor estudar e entender os ensinamentos bíblicos? Realmente queremos nos aplicar a isso? Cremos que ela pode ser a bússola para esse tempo que vivemos?

Que o Espírito de Deus nos ensine a amar e desejar cada dia mais a Bíblia como livro central em nossa existência. Sim, que o Espírito ensinador nos converta aos ensinos de Cristo Jesus e transforme nossa vida a partir da renovação de nossa mente.

Oremos com o salmista: “Desvia-me dos caminhos enganosos; por tua graça, ensina-me a tua lei. Escolhi o caminho da fidelidade; decidi seguir as tuas ordenanças. Que o teu amor alcance-me, Senhor.” (Sl 119.29-30,41).

3 comentários:

Flávio Américo disse...

Expor o livro de "Eclesiastes" no CF foi uma experiência reveladora. Á idéia de que a vida é como uma roda gigante me fez lembrar que o autor do texto bíblico citado defende que a vida pode ser intensa, mas sempre volta para o mesmo lugar e que isso é muito chato, cansativo. Sem contar que eu tenho muito medo de altura.

Mas é gostoso lembrar o que o Coélet e a Taís nos ensinam,devemos olhar para a fonte da nossa esperança.

Flávio Américo

Cássia - ABU Valadares disse...

Vejo que realmente nos distraímos em alguns momentos, e perdemos a direção. Que esse texto sirva de alerta para todos nós! Que nos voltemos para a Palavra e para a Cruz, para que alguma coisa faça sentido nesta caminhada debaixo do Céu!!!
Um abraço Taís! Saudades!!!

Givanildo Martins de Matos disse...

Que Deus abençoe ricamente, como é bom saber que o Espírito Santo atua tão graciosamente em nosso ser quando abrimo o coração em sinceridade e coragem de expor nossas grandes mazelas, o que depois de tudo isso, nos vem a certeza da Sua presença em perdão e paz sem igual.

Givanildo Martins de Matos
givamatos@hotmail.com